Teich diz que não tinha autonomia para conduzir Ministério da Saúde

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich, que esteve à frente da pasta entre abril e maio de 2020, afirmou à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 nesta quarta-feira, 5, que foi demitido por discordar do presidente Jair Bolsonaro em relação ao uso da cloroquina para tratar a doença, mesmo sem comprovação científica. 

Teich afirmou que não tinha autonomia nem liderança para conduzir o ministério e que não era consultado sobre certos assuntos, como a distribuição de cloroquina. “As razões da minha saída do ministério são públicas. Elas se devem basicamente à constatação que não teria a autonomia e a liderança que imaginava indispensáveis ao exercício do cargo”, disse.

“Essa falta de autonomia ficou mais evidente em relação às divergências do governo quanto à eficácia da extensão do uso do medicamento cloroquina para tratamento da covid-19”, reforçou Teich, sucessor de Luiz Henrique Mandetta no ministério. O posicionamento do presidente foi de encontro com o dos dois ex-ministros.

Sobre a demissão, Teich disse que "o pedido específico [de exoneração] foi pelo desejo de ampliação do uso da cloroquina", mas ressaltou que esse era "um problema pontual, que refletia uma falta de autonomia e uma falta de liderança". 

Teich disse que tinha “convicção pessoal, baseada em estudos”, de que não havia evidência de eficácia para liberar a cloroquina, mas o Planalto discordava. “Existia um entendimento diferente por parte do presidente, que era amparado na opinião de outros profissionais, até do Conselho Federal de Medicina, que, naquele momento, autorizou a extensão do uso, e isso foi o que motivou a minha saída”, explicou.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI, perguntou quando exatamente Teich decidiu pedir a exoneração. O ex-ministro contou que tomou a decisão em uma semana em que Bolsonaro se encontrou com empresários e anunciou que o uso da cloroquina seria expandido. “À noite, teve uma live em que ele coloca que espera que, no dia seguinte, vá acontecer isso, a expansão do uso. No dia seguinte, peço minha exoneração”, disse.

O ex-ministro disse que não foi informado sobre a produção de cloroquina pelo Exército. O envio do medicamento a estados e municípios também não passou pela orientação do ministério, segundo Teich. “No que vivi naquele período, a gente nem falava em cloroquina”, afirmou.

EXAME

Redação

Técnica de redação é o nome que se dá à prática de escrever para a imprensa ou veículos jornalísticos. A redação jornalística é o estilo de prosa curta, utilizado em matérias jornalísticas e boletins noticiosos publicados em jornais, revistas, rádio e televisão.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem